TRF 1 – Neoplasia maligna dispensa o cumprimento de carência para a concessão do benefício por invalidez

A autora faleceu antes da realização do exame pericial, mas a data de inicio da incapacidade fora fixada em perícia realizada pelo próprio INSS.
Total
0
Shares
Neoplasia maligna dispensa o cumprimento de carência para a concessão do benefício por invalidez

A autora faleceu antes da realização do exame pericial, mas a data de inicio da incapacidade em sede administrativa fora fixada em perícia médica realizada pelo próprio INSS

A Segunda Câmara Regional previdenciária de Minas Gerais do TRF da 1ª Região negou provimento à apelação do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) contra sentença da 1ª Vara da Subseção Judiciária de Divinópolis/MG que julgou procedente o reestabelecimento de auxílio-doença a uma beneficiária, desde a cessação indevida até o seu óbito, em favor da filha dela, sucessora processual.

Em suas razões recursais, o INSS afirma que a segurada já estava incapaz quando se filiou ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS) e pede a suspensão do feito até a conclusão do processo de habilitação de herdeiros.

Para a concessão do benefício por incapacidade, é necessária a prova da invalidez permanente para qualquer atividade laboral, no caso de aposentadoria por invalidez, ou para o seu trabalho ou atividade habitual por mais de quinze dias consecutivos, tratando-se de auxílio-doença. Além disso, é necessária a comprovação da qualidade de segurado da Previdência Social, com o preenchimento do período de carência de doze contribuições mensais.

A ação foi relatada pelo juiz federal convocado Marcos Vinicius Lipienski, que destacou que a autora faleceu antes da realização do exame pericial, no entanto, o inicio da incapacidade em sede administrativa foi fixado em fevereiro de 2000, conforme conclusão da perícia médica realizada pelo próprio INSS.

O magistrado esclareceu que a segurada era portadora de neoplasia maligna do colo do útero, fato que dispensa o cumprimento de carência para o recebimento do benefício.

Diante do exposto, a Câmara Regional Previdenciária, por unanimidade, negou provimento à apelação do INSS.

Processo nº: 2006.38.11.001500-5/MG

Data de julgamento: 16/05/2016
Data de publicação: 22/08/2016

Assessoria de Comunicação Social

Notícia extraída de: Tribunal Regional Federal da 1ª Região

Ementa:

PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. HABILITAÇÃO DE SUCESSOR. IMPOSSIBILIDADE DE REALIZAÇÃO DE PERÍCIA EM FACE DE ÓBITO. TERMO INICIAL DA INCAPACIDADE FIXADO ADMINISTRATIVAMENTE PELO INSS. BENEFÍCIO DEVIDO. REQUISISTOS CUMPRIDOS. SENTENÇA MANTIDA.
1. Para a concessão de benefício por incapacidade, é necessária prova da invalidez permanente para qualquer atividade laboral – no caso de aposentadoria por invalidez (art. 42 da Lei 8.213/91) – ou para o seu trabalho ou atividade habitual por mais de quinze dias consecutivos – tratando-se de auxílio-doença (art. 60, da Lei 8.213/91). Além disso, é necessária a comprovação da qualidade de segurado da Previdência Social, com o preenchimento do período de carência de 12 (doze) contribuições mensais.
2. No caso concreto, a autora faleceu antes da realização do exame pericial nesses autos, no entanto, o inicio da incapacidade em sede administrativa foi fixado em 24/02/2000, conforme conclusão da pericia médica realizada pelo próprio INSS (f. 23). Conforme consta à f. 81, o recolhimento previdenciário ocorrido em 10/03/2000 foi da competência fevereiro/2000, dessa forma, não tendo a autarquia comprovado outra data para o início da incapacidade senão àquela, é de se reconhecer a incapacidade bem como ainda à qualidade de segurado na data de início da incapacidade, por conseguinte, indevido o ato que suspendeu o beneficio por incapacidade da autora. Por oportuno, cumpre esclarecer que a doença detectada à f. 23 “neoplasia maligna do colo do útero”- CID 53.9, dispensa o cumprimento de carência (Lei 8.2013/91, art. 151).
3. Reexame necessário e apelação do INSS improvidos. Sentença mantida.
(TRF1 – Processo nº: 2006.38.11.001500-5/MG, Relator Juiz Federal Marcos Vinicius Lipienski, Data de publicação: 22/08/2016).

2 comentários
  1. Boa noite,venho através desta solicitar informações sobre minha situação:tive um câncer coloretal um adenocarcinoma fiz cirurgia retirando o tumor,usei bolsa de colostomia por 1 ano e fiz o fechamento da colostomia em virtude disto fiquei com sequelas por conta da radioterapia e cirurgia que me retirou muita parte do intestino e tbm por conta disso sou obrigado a ir ao banheiro 10 a 15 vezes por dia e também estou com 5 hérnias espalhada pelo intestino me impossibilitando exercer serviços pesados,como minha profissão é torneiro mecânico fica inviável trabalhar na mesma.O INSS me deu alta do auxilio doença o meu médico me alertou que cirurgia para corrigir as hérnias seria muito arriscado por conta da radioterapia que deixou a parede do intestino muito fraca para cirurgia me recomendou afastamento da função.Entrei com processo contra o INSS mas não gostei muito do tratamento que minha Advogada está fazendo enfim eu poderia está substituindo os serviços dela,se sim gostaria de marcar uma consulta com Vsa Senhoria para maiores informações e transferência do caso para o seus cuidados,é possível se sim gostaria de obter o endereço do escritório ,sem mais para o momento agradeço.

    1. Olá, Sr. Afonso!
      Sinto muito pela situação do Sr. Sei que não deve estar sendo fácil.
      Infelizmente, não posso assumir seu caso. Mas, se realmente o serviço que sua advogada está prestando não está sendo satisfatório, o Sr. pode sim trocar de profissional. Não é algo simples e eu não recomendo fazer isso a toa, mas é possível ser feito, sim.
      Acredito ser melhor você se informar sobre bons advogados previdenciaristas (especializados em Direito Previdenciário) na sua cidade e marcar uma consulta com um deles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar