Segurado faleceu sem sacar o último benefício, o que fazer? (Resíduo)

A família do beneficiário falecido tem direito a sacar o chamado resíduo. Neste artigo explico o que é isso e o que fazer para sacar este valor.
Total
14
Shares
Segurado faleceu sem sacar o último benefício, o que fazer? (Resíduo)

Como sacar o resíduo de benefício (INSS)?

É muito comum acontecer de o segurado falecer e sua família precisar sacar o valor que ele teria direito até a data do óbito. Este valor é chamado de resíduo (ou valores residuais).

Em um primeiro momento, não é preciso invocar as regras do Direito Civil para isso. A própria IN 77/2015 nos traz a solução, que é muito mais simples e rápida!

[Quem já passou por esta situação no escritório, conte para mim nos comentários!]

Os dependentes do segurado que tenham direito à pensão por morte poderão fazer o levantamento do resíduo sem maiores formalidades, na forma do art. 521 da IN 77.

Caso o dependente não seja da classe 1 (inciso I do art. 16 da Lei 8.213/91), a dependência econômica deverá ser provada antes que seja possível receber o resíduo.

Abaixo, eu disponibilizo um modelo de requerimento administrativo de resíduo. Informe seu nome e e-mail e eu enviarei o modelo para você gratuitamente 🙂

Fundamentos jurídicos

IN 77/2015, Subseção IV – Do resíduo
Art. 521. O valor devido até a data do óbito e não recebido em vida pelo segurado será pago aos seus dependentes habilitados à pensão por morte, independentemente de inventário ou de arrolamento.
§ 1º Inexistindo dependentes habilitados à pensão por morte, na forma do caput, o pagamento será realizado mediante autorização judicial ou pela apresentação de partilha por escritura pública, observadas as alterações implementadas na Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973 e alterada pela Lei nº 11.441, de 4 de janeiro de 2007.
§ 2º Havendo mais de um herdeiro, o pagamento poderá ser efetuado a apenas um deles, mediante declaração de anuência dos demais.

Lei 8.213/91, Art. 16. São beneficiários do Regime Geral de Previdência Social, na condição de dependentes do segurado:
I – o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental ou deficiência grave;
II – os pais;
III – o irmão não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 (vinte e um) anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental ou deficiência grave;
§ 1º A existência de dependente de qualquer das classes deste artigo exclui do direito às prestações os das classes seguintes.
§ 2º .O enteado e o menor tutelado equiparam-se a filho mediante declaração do segurado e desde que comprovada a dependência econômica na forma estabelecida no Regulamento.
§ 3º Considera-se companheira ou companheiro a pessoa que, sem ser casada, mantém união estável com o segurado ou com a segurada, de acordo com o § 3º do art. 226 da Constituição Federal.
§ 4º A dependência econômica das pessoas indicadas no inciso I é presumida e a das demais deve ser comprovada.

A seguir, nós temos mais conteúdo sobre o resíduo INSS fornecido pelo autor Bruno Carneiro.

Um tema do direito previdenciário que costuma despertar muitas dúvidas é o resíduo INSS, ou valor residual.

Resgatar essa quantia é um direito dos dependentes ou herdeiros quando há o falecimento de um segurado pelo Instituto Nacional do Seguro Social.

No entanto, eles costumam enfrentar alguma dificuldade, muitas vezes por desconhecer o processo, o que é agravado pelo momento delicado pelo qual a família passa.

Daí a importância de buscar o apoio de um advogado especialista, que, por sua vez, precisa dominar o assunto para prestar a melhor assistência possível.

Neste artigo, vamos apresentar definições, base legal e outras informações relevantes sobre o resíduo INSS.

Boa leitura!

O que é o Resíduo INSS?

Resíduo INSS é o valor devido ao segurado pela Previdência Social (órgão que rege o INSS) até a data do óbito, mas que não foi recebido por ele em vida.

Ou seja, é o valor residual que não foi sacado pelo trabalhador ou aposentado antes de seu falecimento.

Podemos definir os segurados pela Previdência Social como todas as pessoas que contribuem com ela, sejam empregados no âmbito da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), trabalhadores avulsos, empregados domésticos, contribuintes individuais e segurados especiais.

Os segurados podem ter a filiação mantida tanto por realizarem atividades remuneradas, quanto por contribuírem de maneira facultativa com o INSS.

Após o tempo de contribuição necessário, idade ou qualquer outra condição que sustente a aposentadoria, o segurado continua tendo acesso aos benefícios garantidos pela Previdência Social, incluindo valores residuais.

Portanto, se um aposentado falecer antes de sacar o último rendimento mensal, essa quantia passa a ser um resíduo, e deverá ser paga à família, dependentes ou herdeiros.

O mesmo ocorre com trabalhadores formalizados e beneficiários de auxílio-doença, por exemplo.

O que não é resíduo do INSS

É preciso ter cuidado para não confundir o resíduo INSS com vencimentos ou aposentadoria pagos por engano após a morte do segurado.

Embora não seja tão comum, há casos em que a Previdência Social não é notificada rapidamente pelo cartório sobre o falecimento, e realiza pagamentos como se o contribuinte ainda estivesse vivo.

Se algum familiar resgatar esses valores, estará cometendo crime de estelionato, com pena de 1 a 5 anos de reclusão e multa.

Além disso, o INSS poderá cobrar o ressarcimento da quantia sacada, com correção monetária.

Para não cair nessa armadilha, é importante se certificar de que o INSS esteja ciente da morte do segurado, a fim de que cancele os vencimentos.

Para isso, a família pode contatar uma agência da Previdência Social e informar o óbito.

Como funciona o Resíduo de Benefício INSS?

O resíduo de benefício está previsto na legislação base que reconhece os direitos dos segurados e beneficiários da Previdência Social: a Instrução Normativa 77/2015.

Os valores residuais dão nome à Subseção IV do Capítulo IX, e são descritos no Art. 521.

De acordo com a legislação, o valor residual será pago aos dependentes habilitados à pensão por morte, independentemente de inventário ou de arrolamento.

Cabe lembrar que o inventário é o processo no qual os bens de uma pessoa falecida são contabilizados para que seja possível distribuí-los aos devidos herdeiros.

Quando o valor dos bens for igual ou menor que mil salários mínimos, o inventário é feito na modalidade arrolamento, que é uma forma simples de partilha.

Se não houver dependentes habilitados a receber pensão por morte, o pagamento do resíduo INSS terá que ser feito a partir de autorização judicial ou partilha por escritura pública.

Quais os direitos da família após o falecimento do aposentado?

Receber o resíduo de benefício do INSS e pensão por morte se constitui em um direito para entes da família.

Para evitar a exceção dos prazos exigidos, é importante que eles contatem o INSS antes de se passarem 90 dias.

Obviamente, procurar a autarquia dias depois da morte de um ente querido e próximo pode ser extremamente difícil, em especial para o marido, esposa e filhos.

Entretanto, a família deve se unir para dar entrada nos trâmites necessários assim que possível, sob o risco de o luto se misturar à perda de direitos.

Mas, antes de pedir a pensão por morte, vale confirmar se os familiares dependiam dos recursos financeiros do segurado enquanto ele era vivo.

Conforme a Lei 8.213/91, que trata dos planos de benefícios da Previdência Social, existem dependentes preferenciais a receber os benefícios do segurado após a morte.

Cônjuges, companheira ou companheiro que conviviam com o segurado em união estável, filhos menores de 21 anos, desde que não emancipados e filhos considerados inválidos (incapazes de trabalhar) são as primeiras opções na hora de autorizar a pensão por morte.

Enteados e menores tutelados ganham o status de filhos, desde que haja declaração do segurado e comprovação de dependência econômica.

Nesses casos, não é preciso comprovar que havia dependência financeira do segurado, pois ela é presumida pela legislação.

Se não houver companheiros ou filhos nessas condições, o benefício vai para os pais do segurado. 

Caso eles já tenham falecido, o valor é destinado ao irmão menor de 21 anos ou incapaz de prover o próprio sustento – que tenha deficiência intelectual ou mental ou deficiência grave.

O que fazer para receber a pensão por morte?

Havendo dependentes habilitados para o recebimento da pensão por morte, eles devem agendar, até 90 dias depois do falecimento do segurado, uma visita ao INSS por telefone ou pela internet, acessando este link.

Para iniciar os trâmites online, é necessário inserir os dados solicitados e escolher a opção “continuar sem login”.

Depois, para um novo requerimento, buscar a palavra “pensão” e selecionar a modalidade desejada.

Essas etapas são necessárias para finalizar o agendamento em uma das unidades do INSS.

Para facilitar a concessão da pensão por morte, é importante comparecer com os documentos necessários, que são: certidão de óbito, RG e CPF do segurado falecido, além de documentos referentes às relações previdenciárias, como Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), Certidão de Tempo de Contribuição (CTC) e Número de Inscrição do Trabalhador (NIT).

Se a morte tiver decorrido de acidente de trabalho, o INSS vai exigir ainda a emissão de uma CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho) e outras informações para constatar acidente ou doença ocupacional.

Nesta página, é possível conferir um resumo para iniciar os trâmites.

Além dos documentos do segurado, o solicitante deve apresentar RG, CPF e comprovação de dependência econômica para requerer a pensão por morte.

Para verificar o enquadramento nos grupos citados acima, basta acessar este link

O que é declaração de anuência do INSS e como fazer?

Declaração de anuência do INSS é um documento que possibilita o pagamento de valores residuais a apenas um dos herdeiros do segurado falecido.

Em geral, consiste em um tipo de carta semelhante a uma procuração, na qual os demais herdeiros autorizam que o resíduo de benefício seja pago a apenas uma pessoa.

A declaração de anuência é exigida pelo INSS, conforme o artigo 521 da Instrução Normativa 77/2015, sempre que houver mais de um herdeiro habilitado a receber a pensão por morte – e, consequentemente, o resíduo.

Como exemplo, considere o falecimento de um vendedor depois da morte da esposa, deixando quatro filhos como herdeiros. 

Esse vendedor tinha valores a receber pelo INSS, porém, a quantia é pequena.

Todos os filhos são maiores de 21 anos e não possuem qualquer deficiência, ou seja, são capazes de prover seu próprio sustento.

Nesse caso, a lei prevê que os bens e valores residuais deixados sejam repartidos igualmente pelos herdeiros.

No entanto, apenas um deles arcou com as despesas decorrentes do funeral e enterro do pai, o que levou todos a concordarem em ressarcir parte dos gastos com o resíduo do benefício que seria destinado ao vendedor.

Assim, os três filhos que não pagaram as despesas formulam e registram declarações de anuência, que serão apresentadas ao INSS para que apenas um herdeiro receba os valores residuais.

A quem é devido? Pagamentos de Resíduos poderá ser feito de 3 maneiras

Como explicado em tópicos anteriores, o INSS destinará os valores residuais quando houver dependentes habilitados à pensão por morte.

Caso contrário, herdeiros e sucessores legais poderão receber a quantia, que é paga de três maneiras diferentes. Veja:

No caso de pensão

Havendo dependentes habilitados a receber a pensão por morte, o próprio INSS faz o levantamento dos valores residuais, que são pagos junto às primeiras parcelas desse auxílio.

Quando existir mais de um pensionista, os valores residuais serão rateados. 

Lembrando que o grupo prioritário de dependentes exclui a pensão por morte para outras pessoas, mesmo aquelas que contavam com os recursos financeiros do segurado falecido.

Em outras palavras, há três classes de dependentes estabelecidas pela Lei 8.213/91:

  • Classe 1: esposa, marido, companheiro (a), filhos menores de 21 anos ou que sejam incapazes de trabalhar para prover seu sustento financeiro. Enteados e menores tutelados serão considerados filhos quando houver declaração deixada pelo segurado, além de comprovação de dependência econômica
  • Classe 2: pais, desde que comprovem dependência econômica do segurado falecido
  • Classe 3: irmãos menores de 21 anos ou incapazes de trabalhar, desde que comprovem dependência econômica do segurado falecido.

Para eleger os pensionistas, a Previdência Social avalia se há pessoas na classe 1. Não havendo, verifica a classe 2. Por fim, em caso de nova negativa, busca beneficiários na classe 3.

Por isso, um segurado que deixou esposa e filhos não habilitará pensão para pais ou irmãos.

No caso de herdeiros

Filhos independentes economicamente e com mais de 21 anos não são considerados dependentes, e sim herdeiros.

Em caso de morte de pai ou mãe segurados pelo INSS, eles têm direito a partes iguais dos valores residuais.

O mesmo vale caso haja outras classes de sucessores.

Para receber os valores residuais, eles deverão pleitear o resíduo de benefício, mediante autorização judicial ou pela apresentação de partilha por escritura pública.

Conforme destacado no  tópico sobre declaração de anuência, a autorização dos demais herdeiros permite que apenas um deles receba o valor integral do resíduo.

Resíduo de pensão

Havendo valores residuais referentes a pensões de outros tipos, será preciso solicitar uma autorização judicial para recebê-los.

Isso pode acontecer caso ocorra atrasos na pensão por morte, por exemplo.

Nesse caso, é imprescindível que o beneficiário tenha o suporte de um advogado especializado em direito previdenciário.

Como fazer a consulta de resíduo do benefício INSS?

Geralmente, os valores são levantados pelo INSS assim que a autarquia é notificada sobre a morte de um segurado.

Ao consultar a situação do falecido e requerer os devidos benefícios, dependentes terão acesso a esses valores.

Depois que a requisição for feita, é possível acompanhar a situação do pedido pelo site do INSS, acessando a página de consulta de situação de benefício.

Para tanto, é necessário ter em mãos os dados sobre o pedido, como nome do segurado falecido e número de cadastro na Previdência Social.

Já quando não há dependentes, o caminho para levantar o valor residual fica um pouco mais difícil.

Isso porque os herdeiros ou sucessores precisarão recorrer à autorização judicial (emitida apenas mediante alvará judicial) ou através de uma escritura pública de inventário e partilha.

Valores residuais no INSS e os procedimentos para receber

Publicada em 2015, a Instrução Normativa nº 77 do INSS garantiu um processo mais simples e rápido para que os dependentes tenham acesso à pensão por morte.

Entretanto, os trâmites para que resíduos de benefícios sejam pagos aos herdeiros e sucessores exigem mais etapas burocráticas.

Como já alertamos, que os valores residuais só podem ser levantados via autorização judicial ou através de uma escritura pública de inventário e partilha.

O mesmo vale para o pagamento efetivo do resíduo INSS.

Mecanismo adotado no âmbito do sistema judiciário, a autorização exige que seja feito um pedido de expedição de alvará judicial na Justiça Estadual onde se encontra a residência do segurado falecido.

A segunda opção – escritura pública – costuma ser menos onerosa e trabalhosa, visto que é realizada por via extrajudicial.

Portanto, se todos os herdeiros/sucessores forem civilmente capazes e estiverem em concordância, o ideal é que peçam assistência a um advogado para a lavratura da escritura pública de inventário e partilha, perante o tabelião de notas ou cartório.

Para isso, o segurado falecido não pode ter deixado testamento.

Formulário para requerimento de resíduo de benefício INSS

Nas situações mais simples, em que há beneficiários habilitados à pensão por morte, é possível iniciar os trâmites para requisição de valores residuais via internet.

Esses documentos pedem informações básicas do requerente e do titular, que não pode receber os recursos financeiros em vida.

A fim de agilizar o processo, órgãos responsáveis pela Previdência nos estados disponibilizam modelos de formulários online.

 O INSS também oferece um modelo, que você pode acessar clicando aqui.

Valores superiores ao limite de benefícios do INSS. O que fazer?

Como todo serviço de Previdência Social, o INSS estabeleceu um teto para a concessão de benefícios, que é reajustado anualmente.

Valores acima desse limite devem ser solicitados via alvará judicial ou escritura pública de inventário e partilha.

Acesse os valores atualizados dos benefícios concedidos pelo INSS neste link.

O que é um alvará judicial?

Alvará judicial é um instrumento legal que serve para levantar valores depositados, ou não, em juízo, a fim de permitir a transmissão desses valores aos herdeiros de uma pessoa falecida.

Aplicado à requisição de valores residuais, o alvará judicial serve como uma autorização para que a quantia seja destinada aos sucessores legais.

Essa autorização é bastante útil quando os valores a receber são baixos, já que a outra opção seria a realização de um inventário – processo que se torna caro, por envolver o pagamento de impostos.

O alvará judicial está previsto no Art. 725, inciso VII do Código de Processo Civil.

Como e onde requerer um alvará judicial?

O alvará judicial só pode ser emitido por um Juiz de Direito, pois se trata de um tipo de carta expedida para dispensar a realização do inventário.

Como pertence à jurisdição voluntária (não-contenciosa ou não-litigiosa), o documento pode ser solicitado junto à Justiça Estadual, em uma Vara da Família e Sucessões ou Vara Cível da Comarca de domicílio e residência do segurado falecido.

Casos que envolvam questões específicas, como a morte em decorrência de acidente de trabalho, abrem a possibilidade de solicitar o alvará junto à justiça especializada (na situação descrita, à Justiça do Trabalho).

Uma recomendação para quem não sabe por onde começar é reunir documentos do titular do benefício, como RG, CPF e certidão de óbito, e procurar a vara mais próxima para se informar sobre os procedimentos exigidos, pois em cada cidade o procedimento pode variar um pouco.

Para evitar dúvidas, erros e atrasos no processo, o advogado é peça-chave e pode dar suporte aos interessados, posto que o pedido de alvará tem que ser feito obrigatoriamente por intermédio dele.

Conclusão – Resíduo INSS

Neste texto, esclarecemos dúvidas sobre a requisição, documentos, legislação, pagamento e quem tem direito de receber o resíduo INSS.

Enquanto o processo é simplificado para os dependentes, herdeiros e sucessores legais enfrentam maior burocracia para levantar e receber os valores residuais.

Por isso, contar com o apoio de profissionais especializados em direito previdenciário é uma escolha inteligente, que evita conflitos e economiza tempo.

Se ficou alguma pergunta sobre o resíduo de benefícios do INSS, fale conosco ou deixe seu comentário abaixo.

114 comentários
  1. Adorei os seus artigos. Olha estou estudando tenho muito interesse nessa área preciso de prática previdenciaria. Você pode? E qual o valor?

    1. Olá Sandra, fiz um curso de cálculos previdenciários com a Dra. Alessandra, ele é ótimo, explica tim tim por tim tim como elaborar os cálculos, talvez esse não seja seu foco agora, mas quando precisar, vale a pena fazer. Abraços

  2. olá Dra. também gosto dos seus artigos. Estou iniciando na area previdenciária e ainda tenho muitas duvidas. Com relação a estes residuos, preciso pedir alvara judicial para retirar ou pode ser via administrativa quando ha somente um herdeiro maior?

  3. Olá. Eu gostaria do modelo administrativo para requerimento de resíduos.
    Desde já agradeço. E parabéns pelos artigos. Sempre ajudando nós advogados.

  4. Ocorreu situação semelhante com o falecimento do meu avô. Então, minha mãe, como representante e curadora da minha avó, apresentou o requerimento junto ao INSS e recebeu os valores correspondentes ao período anterior ao óbito dele.

  5. No meu caso não havia dependentes habilitados à pensão por morte. Então a solução era Alvará. Fui até o INSS e fiz um requerimento solicitando o quanto de resíduo havia sido deixado pelo segurado. Tive 2 problemas:
    O primeiro foi que na agencia que eu fui eles informaram q o pedido deveria ser feito na agencia q o segurado recebia o benefício;
    O segundo, foi que ao protocolar o pedido administrativo na agencia q o segurado recebia o benefício informaram que eles não forneciam esse tipo de declaração. Que eu deveria entrar com o alvará sem informar o valor mesmo.

    Enfim, cada agência fala uma coisa! Se já complicam para nós advogados, imagina a dor de cabeça que os segurados não passam!

  6. Dra. Alessandra Strazzi, meus parabéns pelas informações publicadas nesse site. Sou advogado especialista em Direito Público, mas atuo nas áreas Previdenciária e Trabalhista, e o seu site é de extrema importância em muitas situações.

    Grande e forte abraço!

  7. Olá Dra. É sempre bom ler seus artigos. É um aprendizado para a nossa prática . Gostaria de receber o requerimento admintrativo para recebimento dos resíduos. Muito obrigada.

  8. Muito bom, eu não sabia. Gosto muito do teu trabalho,parabéns.

    Gostaria de receber o modelo do requerimento. Pode ser?:

    Abraços

  9. Olá Dra. Mais uma vez parabéns pelo artigo publicado. Gostaria de deixar uma sugestão; pois acho que minha dúvida é de muitos.
    Se for possível, elaborar um artigo sobre: Pensão por morte
    à filho maior inválido aposentado por invalidez. Pois existe muita confusão a respeito do tema. O INSS nega sempre o pedido.

    1. Olá Jorge!
      Legal sua sugestão. 🙂
      Estou juntando todas as dúvidas e sugestões para produzir material sobre os temas.
      Obrigada! https://www.desmistificando.com.br/wp-admin/edit-comments.php#comments-form

  10. Cuidei de minha tia solteirona por 18 anos (até a morte) e o único herdeiro era um irmão (meu pai) que se recusou assinar procuração para receber o resíduo, sendo assim, o resíduo não foi retirado por ninguém e ficou no banco ou no INSS. Faz 15 anos e agora meu pai está interditado. Pergunto: Qual o período de prescrição? A Curadora pode assinar procuração e pedir o alvará em nome do meu pai?

  11. Quero fazer pós graduação na área previdenciária com enfoque para benefícios e que possa aproveitar os créditos para pedir convalidação na minha faculdade de direito (matéria:seguridade social), a Dra. pode indicar algum curso a distância?

    1. Olá! Posso falar um pouco sobre os cursos que já fiz:

      1) Pós-graduação em Direito da Seguridade Social do Legale – coordenação do Prof. Carlos Gouveia

      2) Outros cursos do Legale (muitos são online) – http://legale.com.br/falegale-cursos-virtuais.php?id=5

      3) O IEPREV tem vários cursos online ótimos aqui: http://www.ieprev.com.br/portal/conteudo/cursosEventos.aspx

      4) O Damásio também costuma oferecer ótimos cursos (muitos online). A coordenação é do Prof. Theodoro Agostinho, que é ótimo.

      Existem outros cursos ótimos, mas esses são os que eu fiz, então posso recomendar.

      Bom, espero ter te ajudado.

      Forte abraço.

  12. Boa noite!!

    Com esse requerimento administrativo quem tem direito a receber esse resíduo vai ao INSS ou precisa que um advogado vá junto?

  13. é possível receber o auxilio doença do mês em que o beneficiário faleceu? e o FGTS? os herdeiros podem sacar? se podem quais os procedimentos legais?

  14. Parabéns, Doutora.

    A iniciativa é inteligente e valiosas as colaborações que permitem o nobre compartilhamento de conhecimentos.

    Um grande abraço e ótimas festas de início de ano.

  15. Dra. Obrigado pelo artigo pois vem bem na hora que eu preciso, se o falecido tinha saldo na conta antes do ocorrido é o mesmo processo?
    Especificando: meu sogro faleceu 15/12 e ficou internado um mês no hospital sem movimento na conta e anterior a isto ele tinha um valor acumulado lá.

  16. Olá nobre doutora!
    Estou com um caso aqui no escritório que o beneficiário, analfabeto e sem nenhum registro na carteira (durante anos foi catador de latas/carroceiro) viveu uma união estável, no passado com a ex-companheira que, após romperem como casal, permitiu que ele vivesse no mesmo quintal, em um quarto e banheiro, alimentando-o no local. Ela faleceu e sua filha de outra relação continuou cuidando do ex-padrasto, até sua morte. Ele não tem nenhum parente identificado, conforme Lei 8.213/91, art. 16, incisos I, II e III.
    À época, onde ambos eram vivos, demos entrada através de PRIORIDADE ESTATUTO DO IDOSO, afinal ele tinha mais de 65 anos. Recentemente saiu os atrasados de seus benefícios e assim como temos os honorários à receber, gostaríamos de saber se podemos encaixar a enteada na mesma Lei e art.16, em seu § 2º, lembrando que hoje a mesma é maior de idade.
    Como procederia?

    1. Olá Carolina! Enviamos um email com instruções para baixar seu modelo gratuito. Caso demore a recebê-lo, verifique sua caixa de spams.

      Att. Equipe Desmistificando

    1. Olá, Sheila! Enviamos um email com instruções para baixar seu modelo gratuito. Caso demore a recebê-lo, verifique sua caixa de spams.

      Att. Equipe Desmistificando

    1. Olá, Patrícia! Enviamos um email com instruções para baixar seu modelo gratuito. Caso demore a recebê-lo, verifique sua caixa de spams.

      Att. Equipe Desmistificando

  17. Eu morei com uma pessoa durante21 anos ele recebia o loas ele faleceu e eu nao recebi o último pagamento ele fez um ano agora em fevereiro mas eu estou desempregada estou presicando desse dinheiro e pouco mas ajuda eu tenho direito ainda é um dinheiro que dar pra ajudar me respondar

  18. Boa tarde, uma pergunta minha avó faleceu 3 dias antes de receber a aposentadoria, posso sacar? Eu que recebo pra ela e tive gasto esse mês todo com a doença dela e agora com funeral. Em seguida vou informar o óbito ao inss

  19. Morei com minha vo desde que nasci Tenho duas filhas sendo uma especial da qual não consegui aposentar pois vivendo com minha vo me disseram que teria sido negado porque minha vo recebia duas pensões problema e ela ficou doente tive que sair do trabalho para ajudar cuidar dela com isso ela faleceu e agora temos 7 pessoas em casa sem trabalho e goataria de saber minja tia que é a pessoa que recebia o dinheiro de minha vo retirou o dinheiro da aposentadoria dela antes de dar entrada no atestado de óbito e como ainda eatamos sem trabalho e vimos que o dinheiro entrou so queria saber se sabemos esse mês que é o último que vai entrar seremos presas teremos que devlvsr o valor se não temos trabalho e o dinheiro de minha vo era a única renda da casa

  20. Boa noite! Poderia me informar como faço uma declaração de anuência? No caso são três herdeiros, mas eu que vou tirar o residuo e passar para os outros irmãos.

  21. No meu caso minha mãe faleceu e não havia recebido dois meses do benefício por estar constando divergência e suspenderam o benefício dela, só vimos a saber uma semana após sua morte, como devo proceder, me informaram pra a uma agência do INSS, mas preciso de uma autorização judicial pra receber.
    Se puder me ajudar

  22. Meu marido recebia o loas ele faleceu eu nao recebi ultimo pagamento dele como eu faco pra mim receber morei com ele 20 anos ele era devorciado tem 3 filho que nunca ligou pra ele eu fui a unica conpaninha dele ate o fim da sua vida

  23. Meu pai faleceu dia treze de junho de 2019omtem foi a data que era para ele ter recebido fui tentar recebe mais não recebi tava bloqueado ele também não timha feito a prova de vida era pra ter feito este mês o rapaz do Bradesco mandou eu ir ao fórum do fórum ao INSS pra ver o que eles podem fala dos filhos que pode fica com a aposentadoria dele como eu faço o que que eu faço

  24. Oi boa tarde queria sabe como consigo um alvará e qual o valor do alvará para pegar o pagamento no banco pelo inss do meu pai falecido.

  25. Bom dia estou nesta situação sou único herdeiro já saiu o alvarã judicial. A meu favor quanto tempo leva pra o inss efetuar o pagamento valor deixado pelo beneficiário falecido já fiz o pedido via portal? Obrigado

  26. Minha avó faleceu no último dia 9,ficou algumas pendências de velório e outras relacionadas a internamento. Filho dela meu pai tem direito ao ao chamado residuo

  27. Oi boa tarde.

    Preciso retirar um resíduo de pensão da minha mãe que faleceu. Somos três irmãs.
    Como faço isso?
    Duas vão abrir mão dos direitos. Qual o tipo de documento que elas tem que assinar?

    Aguardo

  28. Minha mãe faleceu e dia 16/6/19o dinheiro está na conta mais não consigo sacar pois o iss bloqueou o que fazo para sacar

  29. Requerimento de residuo
    Uma filha q tmb e deficiente fisica recebe o loas mas é maior de 21 anos tem direito de receber o resíduo pela morte do pai?

    1. Olá Isabel, boa tarde! Todos os nossos modelos estão disponíveis aqui no Blog, realize o seu cadastro no formulário e receba em seu e-mail o modelo escolhido.
      Att. Equipe Desmistificando

  30. Meu pai faleceu em 2012. Ele é minha mãe eram casados, porém separados e não divorciados. Ele recebia NOA. Ela me mandou a procuração para tentar receber os resíduos porque ela mora em outro estado.
    Somos em 4 irmãos maiores( já velhos) rsrs
    Eu consigo receber este valor para ela??

  31. Minha mãe faleceu ela morava comigo dexei de trabalhar para cuidar dela gostaria de saber se tem como sacar o benefício dele esse mês para pagar as despesas

  32. Minha mae faleceu em 17.01.2019.Pore. ja estava lançado o agendamento no banco da pensao que ela recebia do meu pai de quase 6.000.00 para o dia 04.02.2019. Como ela faleceu dia 17.01.2019 e era eu quem recebia o pagamento para ela qdo fui olhar tinha sido recolhido o valor do banco.
    Acontece que como tiro o extrato todo mes no site do INSS notei que a folha dela era fechada todo dia 13 de cada mes por isso achei que iria receber o pagamento integral . Tanto da pensao do meu pai quanto do benefício de aposentadoria por idade dela. Ambos foram retirados do banco. Muito rapido por sinal.
    Sou dependende dela financeiramente. Tenho 63 anos mas nao consigo me aposentar e tenho serios problemas de saude.

    Tentei receber pelo menos esse resudio dos dias em que esteve viva de 1 a 17 de janeiro mas as informações sao desencontradas. O que devo fazer?

  33. Minha mãe faleceu e queria dar entrada nos valores de resido da aposentadoria dela preciso do formulário.Para dar entrada.Obrigado.

  34. Olá, boa tarde meu nome é Lourdes estou falando em nome de meu marido, Ademir Quirino dos Santos, cuja mãe faleceu no dia 20/07/2019, tendo deixado um resíduo de aproximadamente 20 dias, deixando algumas dúvidas, além das despesas do funeral. Ele não é depende econômico dela,mesmo assim gostaria de saber se ele também pode receber o resíduo para quitar essas dividas. Aguardo resposta, obrigado

  35. Meu morreu ha 5 anos eu tinha 16 ainda fui na caixa para fazer o cartao de pupança para recebe o auxilio de morte do meu pai fui com a minha mae na epoca.ate ai tudo bem o cartao chegou fui no branco nao tinha nada na minja popunça ai depois de alguns dias venho uma carta para mim falando que minha conta ia se destivada porque eu nao tinha colocando nada em nela eu era casanda mas nao no papel morava junto com meu marido a gente discutir ele quebro meu cartao.Hoje eu tenho 22anos queria sabe se eu ainda tem direito de recebe que minha mae quer que eu coloquei na justiça a caixa. Ai eu queria sabe se eu ainda tenho direito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar