O que é fator previdenciário? Atualizado com a Reforma da Previdência e Entendimento do STJ e STF

Entenda o que é fator previdenciário, hipóteses de aplicação, forma de cálculo, alterações da EC 103/2019 e posicionamentos do STF e STJ sobre o tema.
Total
47
Shares
Fator Previdenciário: Guia Completo para Advogados [2020]

1) Introdução

Sei que o fator previdenciário é um tema que causa medo em muitos advogados, seja pela legislação complexa ou pela dificuldade na hora de fazer os cálculos.

Felizmente, a Reforma da Previdência excluiu a aplicação do fator no cálculo do salário de benefício das aposentadorias do INSS. No entanto, ainda existem situações excepcionais de incidência do fator, motivo pelo qual o advogado previdenciarista não pode simplesmente desconsiderar a matéria.  

Para lhe ajudar nessa jornada, decidi publicar esse guia completo sobre fator previdenciário, abordando os aspectos mais importantes que você precisa saber atualmente sobre o tema! 

E se você tem o interesse de obter mais dicas sobre os Cálculos Previdenciários, eu tenho um convite muito especial. Participe da minha palestra GRATUITA e 100% ONLINE “Como dominar cálculos previdenciários e faturar até 2 vezes mais”, onde eu ensino passo a passo o cálculo do Fator Previdenciário. Para isso, basta clicar no link e fazer a sua inscrição.

dcp cta online 728x350 - O que é fator previdenciário? Atualizado com a Reforma da Previdência e Entendimento do STJ e STF

2) O que é fator previdenciário

O fator previdenciário é um número coeficiente (multiplicador) obtido através de uma fórmula matemática e que é aplicado no cálculo do salário de benefício do INSS. Essa fórmula leva em consideração a idade do segurado, o tempo de contribuição e a sua expectativa de sobrevida.

O objetivo do fator previdenciário é que o valor das aposentadorias seja diretamente proporcional à idade e ao tempo de contribuição (quanto mais velho e mais tempo de contribuição, maior o valor da aposentadoria). 

Surgiu com a Lei n. 9.876/1999, que alterou substancialmente os cálculos das aposentadorias. O intuito do governo era controlar os gastos com a Previdência Social no país, desestimulando as aposentadorias precoces e/ou com pouco tempo de contribuição (a história sempre se repete, não é mesmo?). 

Antes de novembro de 1999, o fator previdenciário simplesmente não existia, de modo o cálculo do salário de benefício era realizado sem aplicar este coeficiente.

Se você estiver analisando um benefício anterior à Lei 9.876/99, não aplique o fator previdenciário em respeito ao princípio do tempus regit actum.

2.1) Fator previdenciário positivo

São raros os casos em que o fator previdenciário será positivo, aumentando o valor da aposentadoria. Isso ocorre apenas se o fator previdenciário for maior que 1.

Em resumo, funciona assim:

  • Se o fator for menor que 1, ele diminui o valor do benefício;
  • Se o fator for igual a 1, não faz diferença (lembra do elemento neutro da multiplicação?);
  • Se o fator for maior que 1, ele aumenta o valor do benefício (é mais raro, mas pode ocorrer).

2.2) Fator previdenciário e a Regra 85/95

A Regra 85/95 (ou 86/96) do art. 29-C da Lei n. 8.213/1991 surgiu com a MP n. 676/2015 convertida na Lei n. 13.183/2015 (antes disso, não existia).

Resumidamente, é uma regra de pontos, na qual somam-se a idade e o tempo de contribuição do segurado no momento da aposentadoria.

Quem conseguisse atingir esta pontuação (somatória do tempo de contribuição mais a idade da pessoa), não teria o fator previdenciário aplicado em sua aposentadoria por tempo de contribuição.

Como surgiu com a MP n. 676/2015, a regra não é aplicada para benefícios antes da MP 676/2015 (editada em 17 de junho de 2015), em respeito ao princípio do tempus regit actum.

Obs.: O art. 29-C traz uma regra de pontuação crescente, que chegaria a 90/100. No entanto, a pontuação foi “paralisada” em 86/96, devido às alterações da Reforma da Previdência.

Caso queira se aprofundar no assunto, recomendo a leitura do artigo TOP 5 dúvidas sobre Aposentadoria 85-95 do INSS (em que expliquei como era a regra antes da Reforma) e do artigo Como fica a Regra 85/95 (86/96) com a Reforma da Previdência (EC 103/2019).

3) Fator Previdenciário e a Reforma da Previdência

Antes da EC n. 103/2019, o salário de benefício (SB) correspondia, via de regra, à média aritmética simples dos 80% maiores salários de contribuição (SC) desde julho de 1994. O fator previdenciário era aplicado em alguns casos.

Após a Reforma da Previdência, o salário de benefício (SB) passou a corresponder à média aritmética simples de TODOS os salários de contribuição (SC) desde julho de 1994 (art. 26 da EC n. 103/2019). Via de regra, NÃO há aplicação do fator previdenciário.

Assim, atualmente, o fator previdenciário ainda será aplicado em três hipóteses:

  • em casos de direito adquirido antes da EC 103/2019;
  • em uma regra de transição (art. 17 da EC n. 103/2019);
  • aposentadoria da pessoa com deficiência.

3.1) Direito Adquirido

Nos casos de aposentadorias concedidas com fundamento no direito adquirido até 13 de novembro de 2019 (data da vigência da EC n. 103/2019), serão aplicadas as regras de cálculo anteriores, nos termos do art. 3º da Reforma da Previdência:

EC 103/2019, Art. 3º A concessão de aposentadoria ao servidor público federal vinculado a regime próprio de previdência social e ao segurado do Regime Geral de Previdência Social e de pensão por morte aos respectivos dependentes será assegurada, a qualquer tempo, desde que tenham sido cumpridos os requisitos para obtenção desses benefícios até a data de entrada em vigor desta Emenda Constitucional, observados os critérios da legislação vigente na data em que foram atendidos os requisitos para a concessão da aposentadoria ou da pensão por morte.

Isso significa que o fator previdenciário será aplicado nas suas hipóteses de aplicação (explicado mais adiante).

3.2) Regra de Transição

Nos termos do art. 17 da EC n. 103/2019, caso o segurado seja filiado ao RGPS até 13 de novembro de 2019 e na referida data contar com mais de 28 anos de contribuição, se mulher, e 33 anos de contribuição, se homem, fica assegurado o direito à aposentadoria quando preencher, cumulativamente, os seguintes requisitos:

  • 30 anos de contribuição, se mulher, e 35 anos de contribuição, se homem; e
  • cumprimento de período adicional correspondente a 50% do tempo que, na data de entrada em vigor da EC, faltaria para atingir 30 anos de contribuição, se mulher, e 35 anos de contribuição, se homem.

Trata-se da chamada “regra de transição do pedágio de 50%”, caso em que se aplica o fator previdenciário

EC 103/2019, Art. 17, Parágrafo único. O benefício concedido nos termos deste artigo terá seu valor apurado de acordo com a média aritmética simples dos salários de contribuição e das remunerações calculada na forma da lei, multiplicada pelo fator previdenciário, calculado na forma do disposto nos §§ 7º a 9º do art. 29 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991.

Neste caso, serão aplicadas as regras anteriores da Reforma. No entanto, o fator previdenciário vai ser sempre aplicado, mesmo nos casos em que, de acordo com a legislação anterior, ele não seria aplicado (exemplo: mesmo que o segurado tenha atingido a somatória 86/96, se se encaixar no art. 17, o fator previdenciário será aplicado).

3.3) Aposentadoria da Pessoa com Deficiência

O art. 22 da EC n. 103/2019 determina que esta aposentadoria será concedida na forma da Lei Complementar n. 142/2013, inclusive quanto ao critério de cálculo dos benefícios. 

Assim, continuam sendo aplicadas as regras previdenciárias antigas e, consequentemente, o fator previdenciário (art. 9º, LC n. 142/2013).

Olha só:

EC 103/2019, Art. 22. Até que lei discipline o § 4º-A do art. 40 e o inciso I do § 1º do art. 201 da Constituição Federal, a aposentadoria da pessoa com deficiência segurada do Regime Geral de Previdência Social ou do servidor público federal com deficiência vinculado a regime próprio de previdência social, desde que cumpridos, no caso do servidor, o tempo mínimo de 10 (dez) anos de efetivo exercício no serviço público e de 5 (cinco) anos no cargo efetivo em que for concedida a aposentadoria, será concedida na forma da Lei Complementar nº 142, de 8 de maio de 2013, inclusive quanto aos critérios de cálculo dos benefícios.
(…)

LC 142/2013, Art. 9º. Aplicam-se à pessoa com deficiência de que trata esta Lei Complementar:  
I – o fator previdenciário nas aposentadorias, se resultar em renda mensal de valor mais elevado; 
(…)

4) Como funciona o Fator Previdenciário

Conforme expliquei, o fator previdenciário é um coeficiente de multiplicação aplicado no valor da aposentadoria. Ele leva em conta:

Até a data de entrada em vigor da EC n. 103/2019 (13 de novembro de 2019), segundo o art. 29, I, da Lei n. 8.213/1991, nos casos em que é aplicado o fator previdenciário (FP), o salário de benefício (SB) terá a seguinte fórmula genérica:

SB = Média dos SC x FP

Por essa regra da Lei n. 8.213/1991, o fator previdenciário é aplicado:

  • Obrigatoriamente:

i) Na aposentadoria por tempo de contribuição quando o segurado não atingisse a somatória 85/95.

  • Facultativamente:

i) Na aposentadoria por tempo de contribuição quando o segurado atingisse a somatória 85/95;

ii) Na aposentadoria por idade;

iii) Na aposentadoria da pessoa com deficiência.

Lembrando que, nos casos de aplicação facultativa, o fator previdenciário será aplicado quando for interessante ao segurado, ou seja, quando maior que 1, pois aumentará o valor do benefício (fator previdenciário positivo).

5) Cálculo do Fator Previdenciário

O cálculo do fator previdenciário é um dos cálculos previdenciários mais “chatinhos” de aprender, porque tem aquela fórmula horrorosa…

Realmente, são muitos detalhes que devem ser levados em conta no cálculo do fator previdenciário e isso pode assustar um pouco o advogado previdenciarista (que, por ser advogado, tem uma aversão natural aos números).

Mas nada tema, você verá como não tem mistério!

5.1) Fórmula do Fator Previdenciário

A famosa fórmula do fator previdenciário é essa aqui:

formula do fator previdenciario - O que é fator previdenciário? Atualizado com a Reforma da Previdência e Entendimento do STJ e STF

Socorro, né? Mas vou te ensinar a perder o medo dela…

5.1.1) Idade (Id) e Tempo de Contribuição (Tc) na fórmula do fator previdenciário

Está vendo os símbolos “Tc” e “Id”? Eles significam “Tempo de Contribuição” e “Idade”. Ou seja, o tempo de contribuição e a idade do segurado no momento da aposentadoria são utilizados no cálculo do fator previdenciário.

Porém, uma coisa que poucas pessoas sabem é que tanto o tempo de contribuição quanto a idade devem ser usados em seus valores completos, ou seja, constando todos os anos, meses e dias.

Por exemplo: se uma pessoa tem tempo de contribuição de 35 anos, 2 meses e 21 dias, não devemos utilizar apenas “35” na fórmula. Os dias e meses não podem ser ignorados.

Mas como fazemos para “transformar” esses meses e dias de uma forma que possamos colocar na fórmula?

É isso que eu ensino no vídeo abaixo! Vamos assistir uma aulinha rapidinha comigo?

Lembrando que, em se tratando de mulheres, professores e professoras (apenas de ensino infantil, fundamental e médio), o cálculo do fator previdenciário será diferenciado, adicionando mais tempo de contribuição (Tc) na fórmula, nos termos do art. 29, §9º, da Lei n. 8.213/1991:

Art. 29, § 9º. Para efeito da aplicação do fator previdenciário, ao tempo de contribuição do segurado serão adicionados:   
I – cinco anos, quando se tratar de mulher
II – cinco anos, quando se tratar de professor que comprove exclusivamente tempo de efetivo exercício das funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio;    
III – dez anos, quando se tratar de professora que comprove exclusivamente tempo de efetivo exercício das funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio.                 

Seria isso uma espécie de tempo de contribuição fictício? Compartilhe sua opinião nos comentários! 

5.1.2) Expectativa de Sobrevida

Sabe o símbolo “Es”? Ele significa “Expectativa de Sobrevida”.

A expectativa de sobrevida é número obtido a partir de uma das Tábuas Completas de Mortalidade publicadas todos os anos pelo IBGE no dia 1º de dezembro no Diário Oficial da União. 

Essas Tábuas fornecem estimativas da expectativa de vida às idades exatas até os 80 anos, com data de referência em 1º de julho do ano anterior, em cumprimento ao art. 2º do Decreto n. 3.266/1999.

Dessa forma, em 01/12/2019, por exemplo, foi publicada a Tábua Completa de Mortalidade com os dados referentes à 2018.

Qual tábua de expectativa de sobrevida utilizar?

Para fins de cálculo de fator previdenciário, deve-se utilizar a Tábua correspondente à DIB (data de início do benefício) do segurado.

Por exemplo:

Para um benefício cuja DIB é 15/10/2019, utilizaremos a Tábua Completa de Mortalidade de 2017.

Já para um benefício cuja DIB é 15/12/2019, utilizaremos a Tábua Completa de Mortalidade de 2018.

Obs.: Utiliza-se a Tábua Completa de Mortalidade para ambos os sexos (e não as Tábuas para cada sexo específico), conforme determina o art. 29, §8º, da Lei n. 8.213/1991.

5.1.3) Alíquota “a”

Está vendo o símbolo “a” ao final da fórmula? Ele significa “Alíquota de Contribuição” e corresponde a 0,31 (valor fixo). 

“Mas Alê, existe uma razão para esse valor fixo?”

Então, esse valor de 0,31 (trinta e um por cento) corresponde à soma da alíquota contributiva máxima do empregado (11%, nos termos do art. 20 da Lei n. 8.212/1991) com a alíquota contributiva do empregador (20%, nos termos do art. 22 da Lei n. 8.212/1991).

Mesmo havendo outras alíquotas contributivas (de trabalhador avulso, empregado doméstico, contribuinte individual etc.), o legislador preferiu eleger um único coeficiente para todos os segurados do INSS

Desse modo, independente do tipo de segurado, aplica-se a alíquota de 0,31 no cálculo do fator previdenciário.

5.2) Como calcular o fator previdenciário passo a passo

Recomendo que você não seja dependente de ferramentas tecnológicas, pois não sabemos quando a internet vai cair ou quando vai faltar energia, não é mesmo?

Por isso eu gosto de saber calcular o fator sozinha, e uso o simulador apenas por conveniência.

Se você quer aprender como calcular o fator previdenciário passo a passo, tenho algo que pode lhe ajudar!

É a minha palestra GRATUITA e 100% ONLINE “Como dominar cálculos previdenciários e faturar até 2 vezes mais”, em que vou explicar detalhadamente como calcular o fator previdenciário passo a passo. Para participar, basta clicar no link e fazer sua inscrição.

dcp cta online 728x350 - O que é fator previdenciário? Atualizado com a Reforma da Previdência e Entendimento do STJ e STF

5.3) Calculadora do Fator Previdenciário (grátis)

Antes de aprender a fazer esses cálculos sozinha, eu dependia de planilhas, simuladores, programas etc. Mas, muitas vezes, a qualidade dessas ferramentas era duvidosa, o que me deixava com o pé atrás.

Felizmente, existem algumas ferramentas de cálculos previdenciários que são gratuitas e de excelente qualidade, como a Calculadora de Fator Previdenciário do Cálculo Jurídico

Além da fonte ser segura, eu fiz vários testes com este simulador (calculei fatores previdenciários de vários clientes “na mão” e no simulador) e os valores foram consistentes.

Você pode utilizar a calculadora do fator previdenciário aqui mesmo, olha só:

6) Tabela fator previdenciário

Para facilitar o entendimento do cálculo, reuni algumas tabelas de fator previdenciário

Ressalto que são tabelas exemplificativas, calculadas para idades e tempos de contribuição apenas em anos exatos

Lembre-se de que, como explicado no item 5.1.1 (Idade (Id) e Tempo de Contribuição (Tc) na fórmula do fator previdenciário), se você não levar os meses e dias em consideração no cálculo, dá erro.

Caso queira ter acesso, clique nos links abaixo para baixar cada uma das tabelas!

6.1) Tabela fator previdenciário 2000 a 2020

  1. Tabela fator previdenciário 2020
  2. Tabela fator previdenciário 2019
  3. Tabela fator previdenciário 2018
  4. Tabela fator previdenciário 2017
  5. Tabela fator previdenciário 2016
  6. Tabela fator previdenciário 2015
  7. Tabela fator previdenciário 2014
  8. Tabela fator previdenciário 2013
  9. Tabela fator previdenciário 2012
  10. Tabela fator previdenciário 2011
  11. Tabela fator previdenciário 2010
  12. Tabela fator previdenciário 2009
  13. Tabela fator previdenciário 2008
  14. Tabela fator previdenciário 2007
  15. Tabela fator previdenciário 2006
  16. Tabela fator previdenciário 2005
  17. Tabela fator previdenciário 2004
  18. Tabela fator previdenciário 2003
  19. Tabela fator previdenciário 2002
  20. Tabela fator previdenciário 2001
  21. Tabela fator previdenciário 2000

7) Entendimento dos Tribunais sobre Fator Previdenciário

Existem alguns temas relacionados ao fator previdenciário que foram alvo de discussão no judiciário e chegaram até os Tribunais Superiores.

A seguir, irei comentar especificamente sobre os temas que discutem a incidência do fator previdenciário na aposentadoria por tempo de contribuição dos professores e professoras

7.1) Tema 960 do STF – Incidência do fator previdenciário na aposentadoria de professor

Em 2017, o INSS interpôs o Recurso Extraordinário n. 1.029.608/RS contra acórdão do TRF-4 que permitiu a revisão da aposentadoria por tempo de contribuição de uma professora que reuniu os requisitos para se aposentar após a edição da Lei n. 9.876/1999, determinando o afastamento do fator previdenciário no cálculo. 

Na ocasião, a Corte Especial do TRF-4 entendeu pela inconstitucionalidade do inciso I do artigo 29 da Lei n. 8.213/1991 (sem redução de texto) e dos incisos II e III do § 9º do mesmo dispositivo (com redução de texto).

A referida controvérsia deu origem ao Tema n. 960 do Supremo Tribunal Federal.

Em seu voto, o Ministro Relator, Edson Fachin, dispôs que a Constituição Federal, ao definir os critérios de aposentação do professor, não tratou o benefício como aposentadoria especial. Desse modo, não há como afastar a incidência do fator previdenciário, introduzido no ordenamento pátrio pela Lei n. 9.876/1999, ao benefício.

Destacou, ainda, que a constitucionalidade do fator previdenciário, tal como instituído pela Lei n. 9.876/1999, já foi objeto de pronunciamento da Suprema Corte no julgamento da ADI 2.111-MC.

Contudo, a questão em julgamento seria referente especificamente à incidência do fator previdenciário no cálculo de renda mensal inicial de aposentadoria de professor. Desse modo, seria caso de ausência de matéria constitucional a ser analisada, eis que demanda análise da legislação infraconstitucional aplicável à espécie, ou seja, das Leis 9.876/1999 e 8.213/1991.

Assim, em 25 de agosto de 2017, o Plenário do STF, por maioria, reconheceu a inexistência de repercussão geral da questão, por não se tratar de matéria constitucional, vencidos os Ministros Marco Aurélio e Gilmar Mendes. Não se manifestou a Ministra Cármen Lúcia.  

7.2) Tema 1091 do STF – Constitucionalidade do fator previdenciário

Em 2019, o INSS interpôs o Recurso Extraordinário n.  1.221.630/SC contra mais um acórdão do TRF-4 que permitiu a revisão da aposentadoria por tempo de contribuição de professor e declarou inconstitucional o fator previdenciário, determinando seu afastamento no cálculo.

A questão deu origem ao Tema n. 1.091 do Supremo Tribunal Federal.  

No dia 5 de junho de 2020, o Plenário do STF reconheceu a existência de repercussão geral. Foi reafirmada a jurisprudência dominante no sentido de que o Fator Previdenciário é constitucional.

Na ocasião, foi fixada a seguinte tese de repercussão geral:

“É constitucional o fator previdenciário previsto no artigo 29, caput, incisos e parágrafos, da Lei 8.213/1991, com a redação dada pelo artigo 2º da Lei 9.876/1999”.

Ademais,  aposentadoria de professor foi considerado tema infraconstitucional, de forma que será julgado pelo STJ.

7.3) Tema 1011 do STJ – Incidência do fator previdenciário na aposentadoria de professor

Em julho de 2019, o Superior Tribunal de Justiça afetou os Recursos Especiais n. 1.799.305/PE e 1.808.156/SP como representativos da controvérsia que originou o Tema n. 1.011 do STJ.

A questão submetida a julgamento tratava sobre a incidência ou não do fator previdenciário no cálculo da renda mensal inicial da aposentadoria por tempo de contribuição de professor, quando a implementação dos requisitos necessários à obtenção do benefício se deu após a edição da Lei n. 9.876/1999.

Recentemente (fevereiro de 2021), a 1ª Seção da Corte negou provimento aos Recursos Especiais e decidiu que o cálculo da RMI da aposentadoria por tempo de contribuição de professores vinculados ao RGPS está mesmo sujeito à incidência do fator previdenciário.

Em seu voto, o Ministro Mauro Campbell Marques, relator do caso, afirmou que a aposentadoria do professor é uma espécie de aposentadoria por tempo de contribuição com redução em 5 anos, não se tratando de aposentadoria especial. Desse modo, a natureza de aposentadoria por tempo de contribuição não autorizaria afastar o fator previdenciário.

Com a publicação da tese, todos os processos relativos ao tema que estavam suspensosvoltarão a tramitar e, infelizmente, serão julgados aplicando-se o entendimento do STJ no Tema n. 1.011 (pois é, mais uma questão que foi decidida de maneira desfavorável ao segurado…).  

7.4) Tema 149 da TNU – Incidência do fator previdenciário na aposentadoria de professor

Em outubro de 2016, a TNU havia firmado a seguinte tese, por ocasião do julgamento do Tema 149 (PEDILEF n. 0501512-65.2015.4.05.8307/PE): 

Incide o fator previdenciário na aposentadoria por tempo de serviço de professor, salvo quando o segurado tiver cumprido todos os requisitos para aposentação em data anterior à edição da Lei n. 9.876/99”.

A decisão ocorreu no julgamento de um pedido de incidente de uniformização movido pelo INSS contra acórdão da Turma Recursal de Pernambuco que dera provimento ao recurso de um professor, julgando procedente o pedido para excluir a incidência do fator previdenciário de sua aposentadoria.

O INSS afirmou que havia divergência entre julgados da própria TNU e do STJ. Na época, o entendimento consagrado pela TNU era o de que não incidia o fator previdenciário no cálculo do salário de benefício da aposentadoria do professor, enquanto o STJ entendia que o fator previdenciário incidia na aposentadoria por tempo de serviço do professor quando o segurado não possuísse tempo suficiente para concessão do benefício anteriormente à edição da Lei n. 9.876/1999.

Atualmente, o Tema n. 149 da TNU está em situação de revisão, aguardando a decisão do STJ no Tema n. 1.011.

8) Regra de transição do fator previdenciário

O art. 5º da Lei n. 9.876/1991 trouxe uma regra de transição, determinando a aplicação gradual do fator previdenciário nos 5 primeiros anos (60 meses) da vigência da referida lei. 

A intenção do legislador foi proteger o segurado que estava prestes a se aposentar, amenizando um pouco o rigor da regra nova

A aplicação da lei se deu entre 26 de novembro de 1999 e novembro de 2004 (quando teve início a aplicação plena do fator previdenciário), sendo que atualmente o art. 5º é uma norma expirada

9) Dúvidas comuns sobre Fator Previdenciário

Sei que o fator previdenciário é algo que sempre gera dúvidas e “tira o sono” dos advogados! 

Pensando nisso, decidi responder à três principais dúvidas que costumam chegar até mim sobre o tema.

Caso tenha qualquer outro questionamento ou não entendeu alguma explicação, é só me falar nos comentários, ok? 😉

9.1) Quando não se aplica o fator previdenciário?

Antes de 26 de novembro de 1999 (data da edição da Lei n. 9.876/1999) e após 13 de novembro de 2019 (data da edição da EC n. 103/2019) não é aplicado o fator previdenciário. 

Excepcionalmente, existem situações em que se aplica o fator previdenciário mesmo após a Reforma da Previdência (vide item 3 deste artigo).

Ademais, mesmo antes da EC 103/2019, o fator previdenciário não é aplicado nunca nos seguintes benefícios previdenciários:

  • Auxílio-doença;
  • Auxílio-acidente;
  • Aposentadoria por invalidez;
  • Aposentadoria especial.

Outros benefícios no qual o fator previdenciário pode não ser aplicado, se não for vantajoso, são:

  • aposentadoria por idade;
  • aposentadoria por tempo de contribuição se atingida a somatória 85/95;
  • aposentadoria da pessoa com deficiência.

9.2) Como fica o fator previdenciário com a Reforma da Previdência?

Conforme expliquei no item 3, após a Reforma da Previdência NÃO há aplicação do fator previdenciário, via de regra.

Atualmente, o fator previdenciário somente será aplicado em três hipóteses:

  • em casos de direito adquirido;
  • em uma regra de transição (art. 17 da EC n. 103/2019);
  • aposentadoria da pessoa com deficiência.

9.3) Fator previdenciário é aplicado na aposentadoria especial?

No cálculo do salário de benefício da aposentadoria especial (prevista no art. 57 da Lei n. 8.213/1991) NÃO é aplicado o fator previdenciário.

10) Conclusão

O fator previdenciário é um coeficiente que pode interferir diretamente no valor da aposentadoria (geralmente para diminuir), levando em consideração a idade, o tempo de contribuição e a expectativa de sobrevida do segurado.

Com a Reforma da Previdência, via de regra, ele não será mais aplicado

Contudo, se atente àquelas exceções de aplicação do fator que mencionei (direito adquirido, regra de transição e aposentadoria da pessoa com deficiência). Ademais, lembre-se que agora já temos decisão do STJ no Tema n. 1.011, de modo que o fator também deverá ser aplicado na aposentadoria de professor segurado do INSS.

E lembrando: se você quer aprender definitivamente a calcular o Fator Previdenciário sem sofrer, participe da minha palestra GRATUITA e 100% ONLINE “Como dominar cálculos previdenciários e faturar até 2 vezes mais“. Para participar basta clicar no link e fazer sua inscrição.

dcp cta online 728x350 1 - O que é fator previdenciário? Atualizado com a Reforma da Previdência e Entendimento do STJ e STF

11) Fontes

ALENCAR, Hermes Arrais. Cálculo de benefícios previdenciários: regime geral de previdência social – teses revisionais – da teoria à prática. 10. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2019.

BRASIL. [Constituição (1998)]. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 08/03/2021.

BRASIL. Decreto n. 3.266, de 29 de novembro de 1999. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 de novembro de 1999. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3266.htm>. Acesso em: 08/03/2021.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 103, de 12 de novembro de 2019. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 de novembro de 1999. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc103.htm>. Acesso em: 08/03/2021.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. Tábuas Completas de Mortalidade. Disponível em: < https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9126-tabuas-completas-de-mortalidade?=&t=o-que-e>. Acesso em: 08/03/2021.

BRASIL. Lei Complementar n. 142, de 8 de maio de 2013. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 de maio de 2013. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LCP/Lcp142.htm>. Acesso em: 08/03/2021.

BRASIL. Lei n. 9.876, de 26 de novembro de 1999. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 de novembro de 1991. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9876.htm>. Acesso em: 08/03/2021.

BRASIL. Lei n. 8.212, de 24 de julho de 1991. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 de julho de 1991. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8212cons.htm>. Acesso em: 08/03/2021.

BRASIL. Lei n. 8.213, de 24 de julho de 1991. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 de julho de 1991. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm>. Acesso em: 08/03/2021.

BRASIL. Turma Nacional de Uniformização. PEDILEF 0501512-65.2015.4.05.8307/ PE. Relator: Juiz Federal Frederico Augusto Leopoldino Koehler. Publicado em: 10/11/2016. Disponível em: <https://www.cjf.jus.br/cjf/corregedoria-da-justica-federal/turma-nacional-de-uniformizacao/temas-representativos/tema-149>. Acesso em: 08/03/2021.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Tema 1091. Relator: Ministro Presidente. Publicado em: 19/06/2020. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudenciaRepercussao/verAndamentoProcesso.asp?incidente=5732688&numeroProcesso=1221630&classeProcesso=RE&numeroTema=1091>. Acesso em: 08/03/2021.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Tema 960. Relator: Ministro Edson Fachin. Publicado em: 31/08/2017. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudenciaRepercussao/verAndamentoProcesso.asp?incidente=5140916&numeroProcesso=1029608&classeProcesso=RE&numeroTema=960>. Acesso em: 08/03/2021.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Tema Repetitivo n. 1011. Relator: Ministro Mauro Campbell Marques. Disponível em: <http://www.stj.jus.br/repetitivos/temas_repetitivos/pesquisa.jsp?novaConsulta=true&tipo_pesquisa=T&cod_tema_inicial=1011&cod_tema_final=1011>. Acesso em: 08/03/2021.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Fator previdenciário incide na aposentadoria por tempo de contribuição de professor segurado do INSS. Disponível em: <https://www.stj.jus.br/sites/portalp/Paginas/Comunicacao/Noticias/22022021-Fator-previdenciario-incide-na-aposentadoria-por-tempo-de-contribuicao-de-professor-segurado-do-INSS-.aspx>. Acesso em: 08/03/2021.

SODERO, Rodrigo. Atualizações previdenciárias do dia com o Prof. Rodrigo Sodero!. Instagram, 2021. Disponível em: <https://www.instagram.com/tv/CLpkum6j5Lr/?utm_source=ig_web_copy_link>. Acesso em: 08/03/2021.

SODERO, Rodrigo. A aposentadoria do professor e a aplicação do fator previdenciário. Facebook, 2019. Disponível em: <https://www.facebook.com/professorrodrigosodero/photos/a.223564724654077/894948637515679/>. Acesso em: 08/03/2021.

STRAZZI, Alessandra. TOP 5 dúvidas sobre Aposentadoria 85-95 do INSS. Desmistificando o direito, 2016. Disponível em: <https://www.desmistificando.com.br/top-5-duvidas-sobre-aposentadoria-85-95-do-inss/>. Acesso em: 08/03/2021.

STRAZZI, Alessandra. Como fica a Regra 85/95 (86/96) com a Reforma da Previdência (EC 103/2019)?. Desmistificando o direito, 2020. Disponível em: <https://www.desmistificando.com.br/regra-85-95-apos-ec-103-2019/>. Acesso em: 08/03/2021.

STRAZZI, Alessandra. Tempo de Contribuição Fictício em Direito Previdenciário: entenda de uma vez por todas!. Desmistificando o direito, 2020. Disponível em: <https://www.desmistificando.com.br/tempo-de-contribuicao-ficticio/>. Acesso em: 08/03/2021.

STRAZZI, Alessandra. Salário de benefício: divisor mínimo é aplicado após Reforma da Previdência? [Atualização Decreto 10.410/2020]. Desmistificando o direito, 2020. Disponível em: <https://www.desmistificando.com.br/divisor-minimo-reforma-previdencia/>. Acesso em: 08/03/2021.

STRAZZI, Alessandra. Tempo de Contribuição do INSS: Guia Completo e Desmistificado!. Desmistificando o direito, 2020. Disponível em: <https://www.desmistificando.com.br/tempo-de-contribuicao/>. Acesso em: 08/03/2021.

12 comentários
  1. Eu pensava que o teto do INSS fosse apenas para as contribuições recolhidas mas pelo texto são também para limitar o valor do benefício no caso do fator previdenciário ser superior a 1. Isso desestimula o trabalhador a continuar no mercado.

  2. Excelente artigo, muito esclarecer. Obrigado por trazer assuntos previdenciário de forma clara e objetiva. Estou começando na área previdenciária, faço pós na Ajurídica de SP, 2019.2, mas gosto muito do seu blog e de sua didática. Estou migrando o escritório para área Previdenciária, e gostaria de alguma dica de ferramentas para cálculos, sites e institutos para seguir. Hoje conheço: Cálculo Jurídico, Previdencialista.com, IAPA JUS e você Desmistificando.com. Favor alguma dica nesse sentido. Desde já agradeço.

    1. Obrigada, Agnaldo!
      Esses sites que você mencionou são todos muito bons!
      Eu recomendo também seguir os professores nas redes sociais, como instagram, facebook. Alguns também têm telegram. Abraços

  3. A reforma é injusta para alguém na minha situação. Na data da reforma eu tinha 52 anos e 29 de contribuição. Pelas regras anteriores não poderia me aposentar e nenhuma regra de transição me ajuda. Não é justo para alguém que faltava apenas seis anos ter de trabalhar até os 65 anos.
    Tenho um irmão que na data tinha 48 anos e 29 de contribuição, ou seja, temos o mesmo tempo mas ele vai se aposentar com 60 anos (regra 100%) e eu com 65. Não é justo. Vou entrar com processo!!!

  4. Excelente artigo. Gostaria de saber se no valor que aparece no simulador no site do INSS para a regra de transição 50% já considera o calculo do fator previdenciário. Obrigado.

  5. Parabéns pelo artigo.
    Sempre fui amante do Dir. Previdenciário, entrei na faculdade de Direito em razão deste amor. rsrsrs
    Ao sair da faculdade, fui em busca de especialização na área, agora com uma bagagem mais sólida, pretendo advogar na área de Dir. Previdenciário e do Trabalho.
    Sucesso e obrigada por compartilhar seus conhecimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar